Entrevista: Auíri Tiago



Auíri Tiago Nogueira dos Santos 27 anos é professor e sempre estudante, nascido em Montes Claros. Formado em Letras, pós graduado em Ensino Superior pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) e mestrando em Educação Internacional.
Tem 4 livros lançados: 
Conselhos de um velho apaixonado;
Elogio à desobediência;
Elogio à loucura;
Gazeta Muderna (periódico).

Sócio administrador do Jardim de Infância Sertão Veredas que pratica a pedagogia Waldorf, baseado na Antroposofia.
Participa de grupos voluntariados no intuito de levar um pouco de consciência e política de maneira lúdica aos jovens das escolas públicas.


1-Como começou o seu interesse pelo fantástico mundo da escrita?
O meu embaralhar no mundo das letras, se deu com as letras do Agenor Miranda, o Cazuza, ali, eu encontrei de forma simples e poética todo o limiar da vida e sua significância.

2- Todo escritor, normalmente é também um grande leitor. Conte-nos quem são seus autores favoritos? Algum deles inspirou a sua escrita?
Sou professor de Literatura e por assim ser, passei pelos clássicos com uma madureza importante. Me atenho a nomes como Lima Barreto, Oscar Wilde, Machado de Assis, Goethe, Cyro dos Anjos, Guimarães Rosa, Bauman, Rudolf Steiner e tantos outros, para resignificar minha escrita.

3- Qual foi o trecho do livro que você mais gostou de escrever?
O primeiro conto que escrevi (Revolução cibernética) na minha vida, tem um significado importante para mim:
“Um clique eu posso te curtir.
Dois te excluir.
E no terceiro dia eu já sou o seu melhor amigo de infância.
Quer me bloquear?

Nessa revolução cibernética quem não tem cão caça com o mouse.”


4- Qual de seus personagens é o seu favorito ? Por que? O que ele significa para você?
Não tenho uma personagem específica, mas sim, autores. Uso pseudônimos nas minhas obras, e por eles me faço presente. Sendo assim, possuo vários nomes, e não caibo em um só. Sou Bartolomeu Dias, Pedro Poeta, Emílio Moura, Daniel Ricardo etc... O que me sinto melhor nesse momento é o Bartolomeu Dias, por ser um senhor mais de idade, sertanejo, forte e cansado, nele depositei todas as historinhas do último livro.


5- qual o significado do seu livro para você? o livro já mudou de alguma forma a sua vida?
O livro são as minhas ações transformadas em palavras. Tudo que eu sou, penso e desejo está nos meus livros. Uns fantasiados, outros lúdicos, realistas, porém todos são congruentes no meu discurso para mudar o Brasil, acredito na educação como fonte para todos os problemas serem solucionados e por isso faço dela minha aliada.

6-Como se sente quando vê que as pessoas estão gostando do seu trabalho?
Quando escolhemos fazer algo de nossa vida, obviamente esperamos um reconhecimento. Quando vejo pessoas lendo e se identificando com o que escrevi, agradeço e reconheço de forma bem intimista os passos para uma longa caminhada.

7- Qual a emoção de ter seu primeiro livro publicado?
Esse é o terceiro livro publicado. Que já não é mais o último. Em Outubro agora, vou lançar a continuação de uma trilogia de textos eróticos (Elogio à loucura).

8- Você tem alguma inspiração quando escreve ou tudo vai simplesmente surgindo?
"O segredo da criatividade é saber como esconder as fontes." Albert Einstein

9- Qual seria sua maior "dica"para quem quer começar a escrever "Profissionalmente"? 
  Acredite nos seus sonhos, deles, é só você quem sabe – Bartolomeu Dias

10-Quais são os seus próximos planos literários? Tem algum projeto em andamento que possa revelar?
Tenho alguns livros guardados, mas tudo no seu tempo. Me propus a oferecer um livro por ano para o mundo. Por hora, posso dizer que em Outubro teremos o Elogio à Loucura no Psiu Poético e em 2016 teremos um livro infantil: Antônio a Formiga e o Sertão.


“Hoje bateu aquela saudade que parece dor de cabeça; começa fraca que ninguém percebe e, de repente, até Deus duvida. Cola na gente o dia inteiro e fica feito sombra memorando esse sentimento que pesa uma tonelada. 
Comecei a lembrar toda a sua sabida paciência em me ouvir, hora por ser interessante, hora por ser apenas amor. Rabisquei meia dúzia de palavras e não cheguei a nenhuma conclusão. Nesta vida ninguém tem resposta de nada mesmo. Continuei a pensar, sem medo de me policiar ou limitar todo o infinito que mergulho dentro de você. Lembrei sorrindo de um ou dois causos que compartilhamos, acalmei o coração acelerado quase saindo pela boca. Senti um aperto no fundo da minha confissão e jurei pra mim mesmo que a vida pede da gente é somente coragem. 
Pode ser à distância, pode ser solidão, ou uma simples carência de momento. Cada dia com uma força maior, tanto do lado de cá, quanto daí, não posso fugir, você também não pode, estamos do mesmo lado, cada um com o seu medo, cada um com a sua coragem. 
Queria ouvir suas histórias, descansar no seu colo, dizer exatamente o que você quiser escutar e acertar em cheio as palavras que quer ouvir. 
Não preciso parar o tempo pra te chamar atenção, não preciso fingir ser outro para você descobrir uma novidade, não preciso aprisionar meus pensamentos que te desejam, não preciso sufocá-los. 
Somos livres e voamos para onde nos sentimos confiantes.”  ELOGIO À LOUCURA



Bom leitores, esse foi mais um Conversando com o autor espero que tenham gostado, Se você quiser conhecer um pouco mas sobre o Auíri, ou sobre seus livros, segue 

abaixo o contatos:

Facebook: Aqui
Instagram: Aqui


Postar um comentário