Entrevista: Camila Servello Aguirre


Nasci em Taquaritinga, interior de São Paulo e aos 9 anos mudei para Osasco. Formei-me médica veterinária e embora adore a minha profissão, não consegui ficar longe da literatura, sempre lendo um livro atrás do outro e atormentada por ideias e mais ideias. Não teve jeito e me tornei escritora!

1-Como começou o seu interesse pelo fantástico mundo da escrita?
É muito difícil pontuar um momento específico em que isso ocorreu. Eu sempre fui criativa e inventava histórias na minha cabeça. Precisa contar essas histórias de alguma maneira e acabei “libertando-as” através da escrita. Escrever é a melhor maneira de me expressar. Quando estou com papel e lápis na mão é simplesmente mágico.

2- Todo escritor, normalmente é também um grande leitor. Conte-nos quem são seus autores favoritos? Algum deles inspirou a sua escrita?
Meu Deus do céu, são muitos! Vou tentar enumerar alguns: Agatha Christie, Anne Rice, Alexandre Dumas, J.K. Rowling, Renata Ventura, Rubem Fonseca, Dan Brown, Stieg Larsson, Raphael Montes, e por aí vai. O maior de todos, aquele que eu admiro muito e que, sem dúvida, influenciou o meu trabalho é o maravilhoso André Vianco. Eu o considero o melhor escritor nacional de fantasia! O cara é fera!

3- Qual foi o trecho do livro que você mais gostou de escrever?
Carambola! Quer acabar comigo? O livro inteiro foi uma delícia de escrever. Tenho um carinho especial por cada capítulo. Se eu fosse pontuar uma parte específica, sem revelar muito da história, diria que é a parte da perseguição na Paulista. Foi a parte do livro que minha mão mais ficou doendo de tanto escrever. Eu queria avançar na história na velocidade eletrizante em que as coisas acontecem nessa passagem. Imagina dois clãs de vampiros numa perseguição e batalha no coração de São Paulo! Enlouquecedor!


4- Qual de seus personagens é o seu favorito ? Por que? O que ele significa para você?
Eu sou apaixonada pelo Boris. Gosto da crueldade dele, de como os gritos de suas vítimas são melodias doces em seus ouvidos. Mas gosto também do seu charme. Ele é simplesmente um monstro e ainda assim arranca palpitações e comichões de desejo. Eu sempre gostei dos vilões. Ele, pra mim, seria uma válvula de escape. Eu posso canalizar minhas frustrações e raivas do dia-a-dia e personificar nele. O Boris mata pessoas por mim (risada maligna). Calma, eu não sou uma psicopata.

5- O que seu livro significa para você? O livro já mudou de alguma forma a sua vida?
O meu amor é a literatura e ter um livro publicado é a realização do meu maior sonho. É impossível explicar com palavras. Eu imagino que seja algo como um amor de mãe, incondicional. Ô se mudou! Primeiro, mudei o jeito como me via. Me considero uma escritora profissional e estou tentando me especializar nisso. Transformei o hobbie em profissão. Segundo, que nunca vi minhas redes sociais bombarem tanto. É muito gostoso ver os leitores interessados e gostando do meu trabalho.

6-Como se sente quando vê que as pessoas estão gostando do seu trabalho?
É simplesmente MA-RA-VI-LHO-SO!! Eu me sinto realizada e imensamente feliz. Pode ser o pior dia da minha vida, pressão no trabalho, problemas familiares, o mundo acabando, mas quando um leitor me aborda e diz que está curtindo o livro tudo muda! Não tem como não sorrir!

7- Qual a emoção de ter seu primeiro livro publicado?
Eu gritei, chorei, abri o livro e cheirei folha por folha, abracei, continuei chorando e depois gritei mais um pouco. Dá pra ter uma ideia?

8- Você tem alguma inspiração quando escreve ou tudo vai simplesmente surgindo?
Antigamente eu esperava pela inspiração. Via filmes, ouvia músicas, jogava videogame, ficava imaginando as cenas daí quando sentia as ideias pipocarem na minha cabeça eu corria lá pra escrever. Hoje em dia eu sento a bunda na cadeira e me obrigo a escrever, todo dia! Sofro um pouco porque às vezes as ideias simplesmente não vêm, ou o texto fica uma bosta. Mas é muito melhor uma página ruim do que página nenhuma.

9- Qual seria sua maior "dica"para quem quer começar a escrever "Profissionalmente"? 
A dica é que não existe fórmula mágica, mas você pode levar duas palavrinhas mágicas para a sua vida de escritor profissional: disciplina não cumprem uma jornada de trabalho, com horas a cumprir, metas e objetivos? Escrever não é diferente de qualquer outro emprego. Perseverança porque você vai ouvir “nãos”, vai querer desistir, vai querer mandar tudo às favas! Mas se você realmente quer e acredita no seu trabalho, tem que continuar firme e forte!

10-Quais são os seus próximos planos literários? Tem algum projeto em andamento que possa revelar?
Estou terminando o livro 2 dos Cinco Demônios no momento e tenho mais umas 15 histórias esperando na fila. Eu costumo dizer que é um inferno gostoso. Além disso, tenho um projeto voltado a literatura, mas que ainda está dando os seus primeiros passo, então vou me abster de entrar em mais detalhes.

Muito obrigado novamente, por conceder essa entrevista. Agora para finalizar o espaço é todo seu: Deixe uma mensagem/recado para seus leitores.

Eu que agradeço a oportunidade. Aos leitores; muito obrigada pelo carinho! Espero que curtam a história, se divirtam, sintam medo, fiquem com os olhos arregalados e passem noites insones tentando terminar o livro! (Risos) Um abraço em cada um de vocês!

1 comment

Dáfne P. Freitas 21 de outubro de 2015 06:52

Parabéns pela entrevista!! A Camila é um amor de pessoa e o livro dela já será o próximo que vou ler! Fiquei curiosa com esse "duelo" na Paulista! =D

Postar um comentário