Entrevista: Henry Vailan


1-Como começou o seu interesse pelo fantástico mundo da escrita?
Apesar de ser a pergunta que mais escuto, acho que ainda é a mais difícil de responder. Eu nunca imaginei que um dia eu iria escrever um livro. Até certa idade eu nem ao menos gostava tanto assim de ler. Mas o tempo foi passando e eu fui me interessando cada vez mais pela literatura e pela forma como nosso idioma é construído. Comecei a escrever quando a ideia do meu livro começou a surgir. Eu queria deixar registrado em algum lugar, pois tinha medo de esquecer, então eu escrevia em vários lugares diferentes. Sempre que eu tinha caneta e papel por perto, eu escrevia. E não passou disso por bastante tempo.

2- Todo escritor, normalmente é também um grande leitor. Conte-nos quem são seus autores favoritos? Algum deles inspirou a sua escrita?
Me sinto feliz ao dizer que temos muitos grandes escritores atualmente. Não só no Brasil, mas no mundo todo. Os escritores que mais me surpreenderam e influenciaram foram Patrick Rothfuss, com a trilogia As Crônicas do Matador do Rei, e Eduardo Spohr com A Batalha do Apocalipse e a trilogia Filhos do Éden. Mas também sou um grande fã de escritores como Stephen King ou até mesmo Edgar Allan Poe e H.P. Lovecraft.

3- Qual foi o trecho do livro que você mais gostou de escrever?
Acho que todo escritor se perde ao tentar responder essa pergunta. Tente imaginar um autor de diversos títulos tentando responder essa pergunta. Mas acho que as partes que eu mais gostava de escrever era a história do Orion e da Titânia, que divide o livro com a história do Indus, da Europa e do Caim. Enquanto o resto do livro tem uma essência bem dark, a história que se passa em Kepler é sobre crescer e conhecer a si mesmo. Sobre felicidade. Mas se é um trecho que você quer, eu vou te dar um trecho. A parte que mais me marcou quando escrevi foi o capítulo 24, que vai da página 209 até a 229, com destaque nas partes "Aves de Metal" e "A Vida de Caim". Se eu te contar o motivo posso acabar soltando um spoiler, então...


4- Qual de seus personagens é o seu favorito ? Por que? O que ele significa para você?
O personagem que mais gosto é com certeza o Stephen Grey. Não posso falar muito sobre ele pois ele não aparece no primeiro livro. O que posso dizer é que ele irá narrar o segundo livro da trilogia e ele é com certeza o personagem mais complexo que irá aparecer durante a história. Ele é quase um vilão, quase um herói. Isso você decide.

5- O que seu livro significa para você? O livro já mudou de alguma forma a sua vida?
Acho que o livro representa um começo. Meu objetivo é passar uma mensagem que está se construindo e se completará no próximos dois livros da trilogia. Quando eu terminar, irei começar novas mensagens, escondidas em novas histórias. É isso o que me move e aprender a fazer isso através da escrita definitivamente mudou a minha vida.

6-Como se sente quando vê que as pessoas estão gostando do seu trabalho?
Eu finalmente estou começando a ouvir pessoas dizendo que terminaram de ler o meu livro. Acho isso ótimo, pois grande parte do que eu ouvi até aqui foram elogios simbólicos, por eu simplesmente ter feito algo da vida. Agora comecei a receber criticas reais sobre o meu trabalho e finalmente posso usar isso para melhorar a forma como conto minhas histórias.

7- Qual a emoção de ter seu primeiro livro publicado?
Quando abri a primeira cópia impressa do meu livro o sentimento foi de pânico, pois todas as cópias estavam erradas. Eis um grande exemplo de que nem tudo são flores na vida de um escritor. Quando falam que o escritor acaba tendo que cuidar de TUDO, é tudo mesmo. Se você não ficar de olho a gráfica imprime 300 páginas de receita de macarrão instantâneo com a capa do seu livro e sai vendendo isso por ai. Mas a editora Autografia cuidou de tudo direitinho e como só haviam familiares e amigos no evento do lançamento, foi fácil resolver tudo depois. Colocar as mãos na impressão certa e finalmente ler o livro no papel foi divino. 

8- Você tem alguma inspiração quando escreve ou tudo vai simplesmente surgindo?
Eu sempre penso muito bem nas cenas antes de escrever. Para imaginar tudo direitinho eu costumo ouvir música. Para a maior parte das cenas eu ouvia apenas o que eu gosto de ouvir no dia-a-dia, mas para montar as cenas de batalha eu costumo ouvir o álbum O Monstro Que Criei, da banda Akira.

9- Qual seria sua maior "dica" para quem quer começar a escrever "Profissionalmente"? 
Você nunca vai escrever profissionalmente se distraindo com redes sociais ou televisão. Tente organizar as coisas na sua vida. Tire um tempo para se distanciar do mundo e apenas escrever, sem nenhuma distração. Faça isso todos os dias.

10-Quais são os seus próximos planos literários? Tem algum projeto em andamento que possa revelar? 
Eu pretendo terminar essa trilogia e continuar escrevendo. Tenho muitas ideias guardadas, tenho certeza que muitas delas vão ficar ótimas no papel. Espero escrever pelo resto da minha vida.

Obrigado ao blog por fazer essa entrevista comigo. Espero que todos que leram até aqui tenham gostado e se interessado pelo meu livro. Ele pode ser encontrado no site da Livraria Cultura e na loja do site da editora Autografia. Quem quiser pode entrar em contato comigo pelo meu email (henrymarinhovailan@gmail.com) ou pela página do livro no Facebook (facebook.com.br/osoprodamorte).

Postar um comentário